NOTÍCIAS



CONDOMÍNIO - PERSONALIDADE JURÍDICA



CONDOMÍNIO - PERSONALIDADE JURÍDICA

Condomínio - personalidade jurídica. Aquisição - vaga de garagem. Qualificação registral.

REGISTRO DE IMÓVEIS - Escritura pública de venda e compra - Aquisição de bens imóveis para ampliação das vagas de estacionamento - Negócio jurídico relacionado com atividade-fim do Condomínio - Aprovação pela unanimidade dos condôminos presentes em assembleia - Proveito dos condôminos evidenciado - Risco de sanção administrativa - Inconveniente prático da exigência relativa ao consentimento de todos os condôminos - Instrumentalidade registral -Ausência de personalidade jurídica não é óbice, in concreto, ao registro - Pertinência do assento pretendido - Dúvida improcedente - Recurso provido.

CSMSP - APELAÇÃO CÍVEL: 0019910-77.2012.8.26.0071 CSMSP - APELAÇÃO

CÍVELLOCALIDADE: Bauru 
DATA JULGAMENTO: 18/04/2013 DATA DJ: 24/05/2013 

Relator: José Renato Nalini íntegra:

 

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

Proc. nº 0019910-77.2012.8.26.0071

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0019910-77.2012.8.26.0071, da Comarca de Bauru, em que é apelante CONDOMÍNIO BAURU SHOPPING CENTER, é apelado 1º OFICIAL DE REGISTRO DE IMÓVEIS, TÍTULOS E DOCUMENTOS E CIVIL DE PESSOA JURÍDICA DA COMARCA DE BAURU.

ACORDAM, em Conselho Superior de Magistratura do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "DERAM PROVIMENTO AO RECURSO PARA JULGAR IMPROCEDENTE A DÚVIDA E DETERMINAR O REGISTRO DA ESCRITURA PÚBLICA DE VENDA E COMPRA, V.U,", de conformidade com o voto do(a) Relator(a), que integra este acórdão.

Participaram do julgamento os Desembargadores IVAN RICARDO GARISIO SARTORI, Presidente do Tribunal de Justiça, JOSÉ GASPAR GONZAGA FRANCESCHINI, Vice-Presidente do Tribunal de Justiça, WALTER DE ALMEIDA GUILHERME, Decano em exercício, SAMUEL ALVES DE MELO JUNIOR, ANTONIO JOSÉ SILVEIRA PAULILO e ANTONIO CARLOS TRISTÃO RIBEIRO, respectivamente, Presidentes das Seções de Direito Público, Privado e Criminal do Tribunal de Justiça.

São Paulo, 18 de abril de 2013.

RENATO NALINI

RELATOR

Apelação Cível n.º 0019910-77.2012.8.26.0071

Apelante: Condomínio Bauru Shopping Center

Apelada: Oficial do 1.º Registro de Imóveis e Anexos da Comarca da Bauru

VOTO Nº 21.240

REGISTRO DE IMÓVEIS - Escritura pública de venda e compra - Aquisição de bens imóveis para ampliação das vagas de estacionamento - Negócio jurídico relacionado com atividade-fim do Condomínio - Aprovação pela unanimidade dos condôminos presentes em assembleia - Proveito dos condôminos evidenciado - Risco de sanção administrativa - Inconveniente prático da exigência relativa ao consentimento de todos os condôminos - Instrumentalidade registral -Ausência de personalidade jurídica não é óbice, in concreto, ao registro - Pertinência do assento pretendido - Dúvida improcedente - Recurso provido.

O Oficial de Registro, provocado pelo interessado, suscitou dúvida onde reafirmou a nota devolutiva n.º 5.412 - ao insistir que o interessado não tem personalidade jurídica e apenas excepcionalmente, nas situações admitidas pela jurisprudência administrativa, pode comprar bens imóveis -, e salientou que erro pretérito, associado a um antigo registro de aquisição de imóvel por ele efetivada, não justifica o cometimento de outro (fls. 05/08).

Ao apresentar impugnação, o interessado reiterou a manifestação mediante a qual requereu suscitação de dúvida: enfim, enfatizou que a aquisição dos imóveis visa à ampliação das vagas de estacionamento; alegou a inviabilidade da formalização do negócio jurídico com a participação de todos os condôminos, que o aprovaram, conduto, em assembleia geral; e invocou lições doutrinárias, precedentes jurisprudenciais e enunciados das Jornadas de Direito Civil do Conselho da Justiça Federal (fls. 30/45, 67 e 75).

Depois da manifestação do Ministério Público pelo registro do título (fls. 69/74), a dúvida foi julgada procedente (fls. 77/81), motivo pelo qual o interessado, com reprodução de suas alegações passadas, interpôs apelação (fls. 88/110), recebida no duplo efeito (fls. 112). Enviados os autos ao Conselho Superior da Magistratura (fls. 117/123), abriu-se vista à Procuradoria Geral da Justiça, que propôs o desprovimento do recurso (fls. 127/128).

É o relatório.

O interessado, ora apelante, após aprovação obtida por unanimidade em assembleia de condôminos (fls. 64), adquiriu, mediante escritura pública de venda e compra, os imóveis descritos nas matrículas n.º 104.226 e n.º 104.227 do 1.º Registro de Imóveis de Bauru (fls. 25/26), com a finalidade de ampliar as vagas de estacionamento, exigida pela expansão de sua área construída e pela Prefeitura do Município de Bauru.

Porque o interessado, apelante, é desprovido de personalidade jurídica, o Oficial do 1.º Registro de Imóveis de Bauru emitiu um juízo negativo de qualificação registral (fls. 79), realçando que as situações excepcionais autorizadoras de aquisição de imóvel pelo condomínio edilício não estão configuradas.

O condomínio não tem personalidade jurídica, de acordo com a legislação civil em vigor, a despeito do enunciado n.º 90 da I Jornada do Conselho da Justiça Federal, cujo texto, consolidado após alteração promovida pelo enunciado n.º 246 da III Jornada, estabelece, ao comentar o artigo 1.331 do CC/2002, que "deve ser reconhecida personalidade jurídica ao condomínio edilício."

A propósito, Caio Mário da Silva Pereira, ao tratar da natureza jurídica do condomínio edilício e prestigiar a asserção acima feita, rechaça, com veemência, a personalidade jurídica que muitos atribuem a esse fenômeno econômico e jurídico:

Problema que tem dividido juristas e tribunais é o que condiz com a caracterização da natureza jurídica deste condomínio sui generis. Não faltam escritores que o consideram como nova modalidade de pessoa jurídica, ora de cunho societário, ora como universalidade (Jair Lins, Leon Hennebier). Outros invocam institutos tradicionais para explicar a sua existência: direito superficiário (Domenico Simoncelli); servidão (Coviello, Ferrini, Demolombe, Planiol); não faltam os que o associam à enfiteuse (Gianturco, Duranton). A verdade é que é despiciendo mobilizar todos estes velhos conceitos para a caracterização do condomínio edilício. É ele um fenômeno econômico e jurídico moderno. Não se compraz com os institutos invocados para sua explicação, nem deles necessita. Especialmente deve ser lembrado que, se fosse uma pessoa, o condomínio, como tal, é que seria o sujeito de todas as relações jurídicas. Não é isso que se verifica. Os titulares dos direitos, quer sobre as unidades autônomas, quer sobre as partes e coisas comuns, são os condôminos e não uma inexistente ou fictícia pessoa jurídica. O condomínio dito edilício explica-se por si mesmo. É uma modalidade nova de condomínio, resultante da conjugação orgânica e indissolúvel da propriedade exclusiva e da co-propriedade. [i] (grifei)

O Superior Tribunal de Justiça não destoa: ao julgar o Recurso Especial n.º 1.256.912/AL, em 07.02.2012, relator Ministro Humberto Martins, deixou assinalado que o Código Civil de 2002 não atribuiu ao condomínio a forma de pessoa jurídica, malgrado com a oportuna ressalva dos precedentes que reconhecem "referida personalidade jurídica para fins tributários." [ii]

A orientação administrativa do Tribunal de Justiça de São Paulo compartilha o mesmo entendimento: no entanto, ao descartar a personalidade jurídica do condomínio edilício, admite, excepcionalmente, que ele tem aptidão para adquirir imóveis, vale dizer, para ser titular de direito real, na hipótese versada no § 3.º do artigo 63 da Lei n.º 4.591/1964 [iii] e nos casos envolvendo alienação judicial de unidades autônomas pertencentes a condôminos inadimplentes. [iv]

A questão restou bem sintetizada no julgamento da Apelação Cível n.º 880-6/7, ocorrido em 07.10.2008, relator Desembargador Ruy Camilo:

..., este Conselho Superior da Magistratura já firmou entendimento no sentido de que o condomínio, diversamente do sustentado pelo Recorrente, não tem personalidade jurídica. Como consequência, não se tem admitido possa o condomínio adquirir propriedade imóvel.

Trata-se, no tema, de regra geral, a qual, porém, comporta duas exceções, de interpretação estrita. A primeira delas está prevista no art. 63, § 3º, da Lei n. 4.591/1964, em que se afigura possível a aquisição de imóvel pelo condomínio diante da inadimplência do adquirente no pagamento do preço da construção. A segunda corresponde à hipótese de aquisição, em hasta pública, de unidade autônoma pelo condomínio, como forma de satisfazer o crédito decorrente do não pagamento, pelo condômino, das despesas condominiais, por força da aplicação analógica do disposto no referido art. 63, § 3º, da Lei n. 4.591/1964.

Nada obstante a situação enfrentada não se encaixe nas exceções mencionadas, convém suavizar ainda mais o rigor legal. Isto é, focada a instrumentalidade dos registros públicos e a atuação do condomínio edilício na vida negocial - participando de diversas operações econômicas como centro unitário de direitos e deveres -, impõe franquear-lhe a aquisição de imóveis em casos similares ao aqui examinado.

Em outras palavras: é razoável, também, permitir ao condomínio edilício a aquisição de bens imóveis direcionados à ampliação das vagas de estacionamento, voltados ao aumento da área de garagem, desde que autorizada pela unanimidade dos condôminos presentes em assembleia, revelada a pertinência da incorporação patrimonial, quando confrontada com atividade-fim do condomínio, e evidenciada a sua reversão em benefício de todos os condôminos.   

A solução mais se justifica quando considerada a noticiada imposição estatal e, portanto, o risco de sanção administrativa decorrente do número insuficiente de vagas para estacionamento, bem como os inconvenientes práticos que certamente adviriam da necessidade de obter o consentimento de todos os condôminos para formalização do negócio jurídico.

Em resumo: desautorizada, pela ordem jurídica, a irrestrita e incondicional atribuição de personalidade jurídica ao condomínio, contraindicada, também, em função da tutela do patrimônio dos condôminos minoritários [v], é de rigor, em contrapartida, dialogando com a realidade fática, combustível da vitalidade do direito, força viva em perene atualização, temperar a proibição legal.

Pelo todo exposto, insubsistentes, in concreto, as exigências, então atreladas à falta de personalidade jurídica do condomínio edilício, dou provimento ao recurso para julgar improcedente a dúvida e determinar o registro da escritura pública de venda e compra (fls. 51/54)

JOSÉ RENATO NALINI

Corregedor Geral da Justiça e Relator

 



MAIS NOTÍCIAS


Nós ligamos para você!


Preencha os dados abaixo, clique "Receber Ligação" e dentro de alguns minutos* um de nossos antendentes entrará em contato você.


Telefone: -
Falar com:
E-mail:
 
 
   
* O tempo de resposta pode variar de acordo com cada operadora.

Quer uma orientação?

-+
Precisa de ajuda? Quer uma orientação sobre os cursos?
Somos especialistas, preencha o formulário abaixo e receba as informações necessárias: